BANER

AS 05 MAIS ACESSADAS

sábado, 27 de fevereiro de 2010

Que A Verdade Vos Una Até A Morte


Na postagem passada pudemos refletir sobre, “Até Que A Mentira Vos Separe”, espero ter possibilitado um reflexão diretivamente focada na conseqüência de acreditarmos na mentira como verdade e com isso ocasionar conseqüências, psicológicas e espirituais em nossa vida. O resultado dessas decisões, reflete diretamente na vida a dois, desencadeando uma série de desajustes e feridas que necessitará de tempo para curar o nosso ser.

Hoje queremos direcionar nossa postagem no mais puro e poderoso poder da verdade. É impossível pensar que exista um relacionamento saudável onde não exista a confiança e a verdade. Cremos que onde existe a verdade, existe a confiança, quanto mais verdadeiros somos e autênticos mais alcançamos a confiança da pessoa amada.

Confiar não é um sentimento mas é um ato de minha decisão, eu decido acreditar nesta verdade ou não. “Eu confio em você por isso eu acredito no que esta me falando, acredito em você”. Esta expressão é de uma pessoa que realmente tem confiança de que será dito a verdade a ela custe o que custar. Percebe? Cremos que esta confiança varia no sentido de grau e não de inexistência. Dependendo para quem estamos exercendo-a, se para com o marido, esposa, filho, colega, namorado, etc.; ela difere no sentido do nível de conhecimento que tenho desta pessoa, então, entendemos que a capacidade de confiar crescerá na medida que nosso relacionamento cresce em envolvimento e cumplicidade de um para com o outro. Tenho a obrigação em confiar em você até que se prove ao contrário de que você não é digno de minha confiança.

Viver em verdade é um dos objetivos que devemos e podemos alcançar, para que nosso relacionamento no casamento seja cada vez mais forte e mais amadurecido a cada dia. Não precisamos temer falar a verdade, mas sim em não falar a verdade. Falar a verdade em todo tempo é uma atitude genuinamente cristã, e uma prova de amor para com o nosso cônjuge se eu amo quero falar a verdade, quero viver a verdade, quero amar em verdade. Será possível viver assim? Sim! É possível viver em nossos relacionamentos em verdade, pois é umas das bases que sustentam o nosso relacionamento para a vida toda. Andar em verdade é andar sem medo, sem receio, é andar com a consciência livre sem condenação e sem prisões da alma. É permitir e amar com toda intensidade que um ser humano pode expressar em seu relacionamento conjugal. É viver plenamente o amor a dois na mais pura e satisfação de amar e ser amado.

Que a verdade vos una até a morte e o amor seja perseverante na busca da excelência da vida matrimonial.




quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Até Que A Mentira Vos Separe...



Enquanto a verdade uni as pessoas em casamento, a mentira separa casamentos e outros tipos de relacionamentos. Até onde a mentira pode separar, destruir casamentos, mesmo dentro de um ambiente cristão? E a verdade? Será ela também, detentora dos vínculos matrimonias e outros níveis de relacionamentos? Não gostaríamos de fechar e nem esgotar aqui este assunto, mas desejamos ponderar algumas valiosas primícias desta realidade paradoxal.

Acredito que você conhece alguém que já tenha passado por essa experiência, ou tido conhecimento onde o casamento foi comprometido pela mentira ocasionando em muitos casos a separação de casais e a divisão de famílias. Percebemos que a mentira não é só uma vilã nos relacionamentos não cristãos, mas também tem sido ocasionadora de separação e de destruição em muitos casamentos no meio cristão. A frente falaremos de que forma isso tem acontecido nos casamentos.

A mentira não respeita seu credo ou sua provisão de fé, muito menos sua função eclesiástica ou profissional. Ela está em todo o segmento da sociedade, procurando atingir a todos sem distinção de cor e raça. Não importa para ela, se neste casamento exista amor seja ele quão intenso for, se for encontrado um espaço de permissão no coração de um dos cônjuges, pode ser um início para a mentira começar a lançar seus “fundamentos” chamados de, desconfiança. Para que ela comesse a construir as paredes da separação, ela precisará lançar os fundamentos (as desconfianças) em áreas importantes do coração, para que com isso, ela poça concluir seu objetivo que é fazer que você acredite nela e permita ela destruir em primeira instancia a confiança no relacionamento.
Podemos permitir que a mentira edifique esta separação de forma simples: acreditando em suas “verdades”, pois quando aceitamos essas mentiras que ouvimos ou que imaginamos ser verdade, é a atitude mais eficaz para se iniciar um processo de “edificação da separação” no coração desse cônjuge.

Por outro lado a verdade é algo muito poderoso, e que pode ser para nós uma arma de ataque e de proteção. Cremos que toda mentira só pode ser desfeita com a verdade, pois só a verdade esclarece, mostra, prova os corações, pensamentos, intenções do interior do homem. Ela não só ataca, mas como protege de todo ataque da mentira. Saber que a verdade existe não basta, é preciso acreditar nela, para que ela nos mostre onde estão as armadilhas da mentira. Pela mentira, entrou o pecado no mundo, trazendo consigo o seu salário: a morte. A mentira aceita, recebida como verdade sempre levará o casamento, o relacionamento a morte. Se não buscarmos toda a verdade para anular o poder destrutivo da mentira, podemos correr o risco de sermos mais uma vítima de sua astúcia maléfica.

A decisão de aceitar a verdade ou a mentira é nossa, acreditar ou não depende da forma e do processo analítico usado por nós para chegar ao denominador comum. Acreditando na mentira, nunca chegaremos na verdade, pois todos os nossos mecanismos da razão estão bloqueados e não nos encontramos motivados para buscar esta verdade. A mentira que decidimos acreditar um dia, sempre será para nós como se fosse a "verdade pura e genuína" e é a razão pela qual muitos casamentos se desfizeram por não buscarem a verdade em amor, pois o verdadeiro amor lança fora todo medo e não se conforma com a mentira e nem com a injustiça. O amor busca e quer a verdade ele não se contenta coma a mentira ele não só quer, como aceita a verdade.
Assim, nosso casamento perdurará ...“até que a morte e não a mentira nos separe...”

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Se não tiver amor...



Eu amo você! Quantas vezes você fala e ouve está expressão de seu cônjuge ao dia? Está contando? Tudo bem! Enquanto você conta aí, quero compartilhar algo com você.
Todos hão de concordar que é muito gostoso amar e ser amado, pensar na ausência deste sentimento é impossível imaginar como seria a nossa vida. Amar! É de fato uma grande decisão em nossa vida, tomada não somente pela vontade mas pela razão. Sentimentos, também estão incluídos nesta decisão, dividir nossa vida com a pessoa que amamos passa a ser uma experiência nova e diferente.

Quando Deus amou o mundo de tal maneira em (João 3:16) ele não sentiu amor, mas ele decidiu amar a humanidade e realmente amou, chegando ao ponto de enviar seu Unigênito Filho para morrer por aqueles que não podiam salvar-se a si próprio. A morte de Jesus Cristo foi a maior prova de amor incondicional que já ouvimos falar, ninguém morreria por alguém sem que houvesse um conhecimento prévio ou um vínculo afetivo e íntimo desta pessoa alvo do nosso sacrifício. A verdade é que Deus Pai não esperou nos conhecer primeiro para enviar seu Filho para morreu por nós, muito menos começou a pensar que merecíamos ou não, ele simplesmente decidiu nos amar de tal maneira se entregou por nós em Cristo quando ainda não existíamos.

No relacionamento conjugal, se não exercermos o amor sacrificial contínuo, dia a dia, de nada se aproveitará, seremos como diz na bíblia no livro de I Coríntios 13, seremos como sino, como metal que tine mas que logo o som se vai, desaparece. Amar, não depende somente de quem ama, pois as vezes queremos amar por nós e por aquela pessoa também, podemos até tomar essa atitude, mas não agüentaremos por muito tempo, pois está atitude poderá tornar pesado demais para o nosso coração, nos levando a diminuir a nossa estima, a nossa identidade interior nos consumindo o nosso eu aos pouco.

Essa atitude decisiva de amar precisa estar em mão dupla, ser recíproco, os que estão envolvidos nessa aliança precisam tomar esta decisão de amar incondicionalmente, sem nunca pensar em receber apenas. Quem ama, investe, se dá, se entrega, mas quem não ama, não se entrega, não acredita, não busca conhecer aos profundezas do coração do seu cônjuge. Decidir amar, esse é o ponto de partida, a força motriz que move o casamento, que fundamenta e que me habilita a construir de maneira sólida, saudável e madura a vida a dois.

O amor é incondicional e não circunstancialmente movido por sentimentos apenas, mas é sentimento e uma atitude de decisão onde os corações de ambos estão decididos a amar até que a morte vos separe.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...